Países desenvolvidos vs em desenvolvimento e o respeito às leis e regras de convívio

Parada esperando o farol para pedestres sinalizar o verde em Berlim em uma esquina qualquer, sem que nenhum carro pudesse ser avistado em qualquer direção, mas onde nenhum cidadão sequer ensaia sair andando ainda sem o “Apelman”, que é o “homenzinho” que aparece com a luz vermelha ou verde no farol, símbolo da cidade, sinalizar o verde, sobra tempo para refletir quando isto será realidade no Brasil, terra conhecida lá fora pela Amazônia exótica, o futebol, o Rio de Janeiro, o samba, as praias ( é só o que a TV de lá mostra durante este período de copa), me parece ainda bem distante de ser realidade .

Hoje há uma excelente matéria a respeito no Estadão, mostrando que as pessoas reclamam os seus direitos, mas continuam a dirigir após beber, e, coincidência ou não, 72% admitem na pesquisa atravessarem fora da faixa de pedestre, em recente pesquisa da FGV.

http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,brasileiro-vai-as-ruas-por-direitos-mas-desrespeito-as-leis-aumenta-imp-,1524325

Lá na terra de Hanna Arendt, cujos textos são de uma clareza e inteligência incomuns, passar pela sua esquina é um registro histórico e mostra o orgulho e o reconhecimento que seu povo tem com os intelectuais responsáveis pelas profundas reflexões acerca do ser humano em todas as suas dimensões.

Hannah Arendt Strasse

Já em outra cidade européia, Genebra, há várias faixas de pedestre sem sinal para pedestres, mas você pode avançar sem medo, pois eles param de verdade. Para mim, acostumada ao hábito paulistano, a despeito da lei em vigor (em Brasília já é hábito os carros pararem diante de um pedestre atravessando), espero os carros pararem para atravessar e ainda agradeço com um gesto sutil com a cabeça ou as mãos, o que causa estranheza por lá. Na verdade, ficam bravos por eu ainda ter esperado pararem e fazem um leve gesto com a cabeça como querendo dizer “Você está fazendo eu perder tempo e já deveria estar cruzando a faixa, pois eu iria parar de qualquer forma. Não tenha dúvidas disto”. O que me faz parecer um ser exótico vindo de uma país exótico.  Será que sou?

Este pequeno aspecto da diferença entre a civilização madura e desenvolvida e a civilização em desenvolvimento pode ser transposta a várias outras áreas e mostra o quão ainda temos que avançar em direção ao senso da vida em comum em sociedade e que o respeito ao cidadão faz parte de uma série de regras que afinal não são tão difíceis, mas que poderiam acabar com o estigma do povo brasileiro que tenta dar um jeitinho para tudo.

Deixe um comentário

Arquivado em consumo, Histórias, Notícias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s