Arquivo da categoria: internet

Instantes de uma estante…amor, ficção, horror…

Existem vários sonhos dentro de um só? 

Um jovem rapaz se declarando, em meio à multidão, em uma cerimônia que mais parecia um noivado ou casamento. Enquanto ele se desmanchava em elogios à amada, que se encontrava à sua frente, ele moreno de cabelos pretos, alto, vestido em roupas que lembravam os trajes da Idade Média, como um verdadeiro Cavaleiro, eis que algo como uma segunda camada de pele mais grossa, enrugada, subia desde o seu pescoço e ia aos poucos distorcendo e embasbacando a sua fala, como se o quisesse sufocar. Cheio de horror ele debatia-se e tentava arrancar aquela cobertura grossa, nojenta, mas ela subia constantemente até cobrir seu rosto e corpo. Enquanto isto, sua amada ia tornando-se invisível. Ela levantou-se assustada da cama , ainda sonhando, um sonho dentro do outro, o chão era de tacos, ajoelhou-se e começou a rabiscar, talvez com giz esta história, na ânsia de não perder nenhum detalhe. Em outro momento, ainda dentro do sonho, ela parecia a si mesma bem mais velha. As marcas daquele antigo amor estavam nos porta-retratos das estantes. Momentos felizes juntos, clicados e impressos. Provas irrefutáveis de que tinha sido real. Em meio a outras mulheres que pareciam incentivá-la a recordar e diziam que ainda havia a possibilidade de retomarem aquele amor, que o homem estava curado. Mas agora que estava velha, de que adiantava?

   

Deixe um comentário

novembro 1, 2015 · 8:35 pm

Tic tac tic tac – o relógio da vida

A vida é feita de pedaços de tempo;
Hiatos de vazio, do nada sentir;

Espasmos de amor, alegrias que evaporam em segundos;

Realidade efêmera;

Espírito cambaleante que busca equilíbrio em um ser à semelhança de um jovem que um dia existiu, dentro de uma carcaça que murcha em velocidade maior que a mudança das estaçōes do tempo. 

A beleza vista nas pequenas coisas em microsegundos mágicos e a lucidez para guardar as sensaçōes bem fundo na memória;

Atrasar o relógio, resgatar lembranças adormecidas, reviver sensaçōes, pessoas do passado, até que ponto mudam o tic tac tic tac?

   
    
   

Deixe um comentário

Arquivado em fihos, Histórias, internet, leitura, Uncategorized

Recomeços

No início de qualquer grande mudança na vida, pessoal ou profissional, além de todas as dúvidas, medos e hesitações paralisantes por vezes, há a enorme necessidade de energia interna em direção a um novo horizonte. Exige-se uma força interna brutal, uma capacidade de moldar-se a uma nova realidade, novas cores, novos olhares, um novo mundo, novas portas que se abrem, velhas portas que se fecham. Mudar hábitos é como arrancar uma raiz profunda de uma árvore há muito plantada. Ela pode ser removida com cuidado para ser transplantada, mas no início pode sentir a mudança, alguns galhos podem cair, outros podem amarelar. A nova morada ou a nova realidade, entretanto, pode com o tempo mostrar-se fértil, pode permitir brotar novos frutos, galhos mais verdes, uma nova vida onde não mais os olhos viciados nos hábitos de outrora enxergavam luz ou novas chances, pois enquanto viver mudar é vital. Recomeços doem enquanto são começos, mas ao caminhar vê-se o quão necessário foi o primeiro passo. 

 

Deixe um comentário

Arquivado em consumo, filhos, Histórias, internet, Uncategorized

Estado civil: complicada…crônica de uma tentativa de diálogo

Era mais uma daquelas manhãs de trânsito na chegada a Congonhas em São Paulo. O voo partiria em uma hora. Haveria tempo para um café expresso? Dependeria da fila do raio-x, mas que raios, vim com aquele salto alto que apita! Teria que calçar a tal sapatilha branca, ficar com os pés nus diante de estranhos apressados com olhar fulminantes. Dez minutos para iniciar o embarque. Tomei tranquilamente o meu café, água, chequei os e-mails, baixei os textos que leria no vôo. Havia calculado exatamente o tempo do vôo para finalizar a apresentação para a reunião a ser realizada no destino, Brasília.
Sentada no corredor, olhei ao redor, vôo lotado, cheio de engravatados. Abri o tablet e, enquanto a porta não fechava despachei mais alguns e-mails, respondi a algumas mensagens, respirei fundo e foi o tempo do avião começar a sair do lugar. Não havia percebido, mas senti alguém com o olhar fixo, daqueles que chegam a incomodar. “Você digita rápido”, o cara ao meu lado falou de sopetão meio acanhado. “Pois é, sou da época da máquina de datilografia” (talvez isto o afaste de vez, pois vai pensar que já devo ser avó ou uma jurássica). Fecho os olhos para a decolagem. Lembro dele, do último final de semana, dos beijos. “Você faz muito esta rota?”.”Nossa, que susto. Eu estava cochilando, quase dormindo. De vez em quando. E você?”. “Raramente, raramente converso com alguém tão bonita”. “Olha, me desculpa, nós não nos conhecemos. Eu realmente não estou a fim de conversa. Preciso terminar um trabalho durante este vôo. Você parece ser um cara legal, mas eu não estou em uma fase boa para novos amigos.”O silêncio que se seguiu afora o constante e ensurrecedor ronco das turbinas e os passos dos tripulantes, além de uma tosse aqui e acolá trouxe de volta a calma que eu havia planejado. Fixei o olhar na tela e comecei a ler os textos que precisava, mas ao mesmo tempo pensava em como os imprevistos podem ser frustrantes, estressantes e exigirem de nós uma flexibilidade de camaleão e mudanças repentinas não são definitivamente o meu forte. “Desculpa, mas eu preciso fazer somente uma última pergunta e prometo não mais lhe importunar. Pode ser?”. Não sei se lhe dou este direito, mas pergunte e verei se posso lhe responder. “Qual o seu estado civil?”. “Ah, é isso? Meu estado civil? Mesmo? É complicada…”

  

2 Comentários

Arquivado em Histórias, internet, leitura, Notícias

A misoginia trocada em miúdos. Por que pais e mães devem se preocupar com esta palavra esquisita!

Não me atrevo aqui a definir ou a discorrer cientifcamente, historicamente ou psicologicamente sobre as origens da palavra misoginia. Entretanto, é fato constatar o enorme desconhecimento a respeito do assunto apesar de suas origens serem tão antigas quanto a origem do homem. 

Miso vem de odiar e gino de mulher. O misógino é o homem que odeia a mulher. Pode ser aquele homem que começa o relacionamento a tratando com flores e declarações de amor, mas que depois de um tempo começa a minar a auto-estima da mulher, a diminuí-la, maltratá-la, tanto na intimidade quanto na frente dos outros, verbalmente ou fisicamente. As mulheres com pouca autoconfiança se entregam aos poucos, acreditam que são aquilo que o misógino as acusa de ser, deixam de ser quem são, às vezes engordam, perdem a vaidade, deprimem, adoecem.

dina mujer biblia ateismo misoginia_thumb[1]

Nenhuma mãe ou pai gostaria que sua filha tivesse que lidar com um misógino em sua vida, mas todas estão sujeitas, infelizmente, pois no início tudo são flores e as pessoas só se mostram aos poucos. Por isso é muito importante que as mães e pais tenham ciência deste tipo de personalidade e ensinem às suas filhas a força da autoconfiança, do amor próprio, da auto-estima, para que reconheçam rapidamente tais comportamentos e possam as ajudar a se desvencilhar de escolhas erradas.

Isto vale também para os pais de meninos. Ensine-os o valor de uma mulher, a importância de tratar bem o outro, a beleza da generosidade, a força do caráter, aliás nada mais belo e charmoso em um homem que a coragem do caráter e a honestidade aliados a uma boa dose de generosidade. O mundo já está cheio de misóginos e egoístas.

Deixe um comentário

Arquivado em fihos, Histórias, internet, leitura, Notícias, Uncategorized

Poder não pode, mas alguns negócios digitais se importam?

Ao ler a matéria do último domingo no Estadão “Fazendo pouco das normas”:

http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,fazendo-pouco-das-normas-imp-,1680271

lembrei-me da recente estada em Londres quando por insistência de uns locais instalei o aplicativo Uber e chamei o motorista pela primeira vez. Cheguei ao destino, mas não sem antes observar o desleixo e a sujeira no carro. Já a conta deu problema com o registro do cartão, o que atrapalhou a vez seguinte em que precisei. Foi quando chamei o serviço novamente, mas no mesmo minuto desisti, pois avistei um Taxi londrino. Pelas regras do Uber a corrida foi cobrada mesmo assim. Depois disto não chamei mais e não pretendo mais utilizar este serviço. Os taxistas londrinos inclusive alertam que eles não têm licença e não são seguros. Qualidade à parte é certo que há várias questões legais sendo questionadas nos diversos países em que atuam, inclusive no Brasil. Por aqui tivemos até protestos e manifestações.

A matéria menciona outras iniciativas digitais que atuam sem levar em conta as regras do “mundo real”. Há argumentos de ambos os lados, mas é certo que a concorrência pode ficar desleal se alguns seguem as regras e outros não.

Os exemplos não param por aí. Na área de compartilhamento de conteúdo há alguns anos surgiu, por exemplo, a plataforma “Scribd”, que na época do lançamento aceitava que o usuário fizesse upload de qualquer arquivo. Assim, muitos PDF’s piratas faziam parte do rol de opções. Assim, eles conseguiram “massa” de usuários, o grande apelo de “big data” para atrair os investidores. Ouvi em uma palestra com um dos fundadores que estavam procurando corrigir o problema. Procurei-o ao final para contar que um arquivo da plataforma deles estava sendo “vendido” como um curso em outra plataforma brasileira, sendo que o autor do referido texto em inglês estava alheio a tudo isso e obviamente sem receber direitos autorais.

Infelizmente, a grande maioria das pessoas, potenciais clientes de tais iniciativas, não têm a menor ideia das normas que existem e como podem diferenciar o joio do trigo. Com o tempo, o mercado se encarrega de regular e ajustar os desvios. Entretanto, muitas vezes o estrago é grande, tanto para os novos empreendedores quanto os estabelecidos e que seguem as regras. O que dirá dos usuários que entregam seus dados pessoais a um sem número de serviços “gratuitos” sem se dar conta de que esta base de dados é moeda de troca e vira ativo nas mãos de quem os detém, mas isto renderia assunto para um novo post.

Fica aqui um pequeno podcast sobre os desafios dos direitos autorais na nova era digital:

Deixe um comentário

Arquivado em consumo, internet, leitura, livros, Notícias

Changes are the fuel of life – Storms ahead – thoughts for 2015

Storms ahead

We can’t predict nor control
Like life itself
We can only enjoy the moments of peace and calm with our loved ones
Be prepared while straighten bonds, loving and being with who we care the most
Because there isn’t a way to prepare for difficult times or to size its consequences
It can be just a little shower
It can be heavy but with no damage
Instead it can be hard enough to hit you or someone that you love
Like the waves from the sea you may only get up take the hand of your loved ones
And be prepared for the next wave or storm
Cause there is only one certainty: they will come

stormsahead by Nathy Mendes
DM
Photo by Nathy MP Mendes – Christmas at Ilhabela 2014

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias, internet, leitura, Notícias

Diferenças culturais, mas nem tanto…curiosidades sobre a Coréia do Sul

Vivenciar diferentes culturas é sempre muito enriquecedor e promove reflexões sobre a nossa própria cultura.

Lendo uma matéria hoje no Korea Joongang Daily me fez refletir sobre o quão pequeno tornou-se o nosso mundo.

http://koreajoongangdaily.joins.com/news/article/article.aspx?aid=2996624

Ä¿ÇÇ ÇÑ ÀÜ ¾Æ´Ï¸é ¹®Çеµ ¾ø¾ú´Ù¡¦60¤ý70³â´ë ¹®ÇÐÀÇ Á᫐ Çи²´Ù¹æ//141024/±è°æºó

Aprendi aqui que não era hábito dos coreanos tomar café há 20 anos. Hoje alastraram-se as redes multinacionais: Starbuck’s coffee e outras, além de várias redes de fast food, como Burger King, Dunkin Donut’s, Popcorn de Chicago etc. Curiosamente os coreanos ainda são na maioria bem magros e as mulheres que não tentem comprar roupa aqui, pois os manequins são minúsculos.

A par estas curiosidades, o que chamou atenção na matéria é a casa de café reportada na qual os escritores são muito bem-vindos. Passam horas lá escrevendo. Nas estantes há livros em várias línguas, disponíveis para quem quiser. Você não é obrigado a consumir. Há um público jovem também indo aos cafés para buscar inspiração e escrever.

Quando falamos de um país conhecido pelo avanço tecnológico tal relato é acalentador no sentido de que o processo criativo independe da tecnologia. Tecnologia é somente o meio utilizado hoje para dar vazão aos escritos, mas o processo em si ainda não foi automatizado. Criar é dedicar-se, é buscar o ambiente que te inspira e isso vale para qualquer lugar do mundo.

Annyeonghi-gaseyo! (Tchau em coreano)

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias, internet, leitura, Notícias

Lei de Direitos Autorais e o novo presidente do Brasil – dúvidas e consequências?!

Desde o início da campanha à presidente do Brasil fiquei bastante curiosa para saber como os candidatos haviam incluído em seus respectivos programas de governo a delicada questão da Lei de Direitos Autorais, cuja atual gestão do Governo encabeçou um projeto de reforma, que traz em seu cerne mudanças, que se efetivadas, trariam consequências extremamente danosas a todo um setor criativo da economia, que tem íntima ligação ao projeto maior da educação brasileira.

Há diversos enganos conceituais nos defensores de tal reforma. Nomeá-los aqui exigiria muito mais que um espaço curto de um blog. Alguns deles podem ser lidos em minha dissertação de mestrado, recentemente defendida na  Educação: Currículo da PUC/SP, intitulada “Recursos Educacionais Abertos e Direitos Autorais: conflitos e perspectivas”. Como parte da pesquisa foi feita com uma bolsa parcial concedida pela Capes e por um compromisso da PUC em geral, o texto está ou estará em breve (defendi-a em final de setembro) disponível na Scielo e na  biblioteca da PUC sob uma licença creative commons.

Alterar uma Lei exige muito mais que uma reforma na lei doméstica, pelo menos no caso da Lei de Direitos Autorais. O Brasil é signatário de diversos acordos internacionais. Para os Direitos Autorais eles estão sob o guarda-chuva da OMPI (Organização Mundial de Proteção Intelectual). Temos a Convenção de Berna, os acordos TRIPS, que cuidam dos acordos comerciais e que têm por princípio respeitar a propriedade intelectual.

O atual Governo têm exercido, por meio dos assentos na OMPI, uma grande pressão por um novo acordo que flexibilize os Direitos Autorais relativos à educação e às bibliotecas e arquivos. Por enquanto, nada avançou neste aspecto, pois diversos países são contra.

Como podemos ver diversas ações coordenadas são necessárias dentro do governo. No nosso caso o Ministério da Educação, Ministério da Cultura e o Itamaraty têm um grande papel ao tratar dos temas da indústria criativa.

Hoje saiu uma matéria a respeito na Folha de SP, mas é bastante superficial. Fala somente em linhas gerais e as dúvidas permanecem. Caso o atual governo mantenha-se no poder sabemos o que pensam seus signatários, mas quanto ao candidato Aécio Neves, seria muito importante colocar tais questões no centro do debate.

http://folha.com/no1534965

Captura de tela 2014-10-20 11.39.44

1 comentário

Arquivado em campanha eleitoral, internet, leitura, livros, Notícias, política, Uncategorized

Marketing danoso e a matéria de hoje no caderno PME do Estadão “Urgência para transformar a educação”

Há um bom tempo não escrevo no blog. Não por que não quis, mas tive que concentrar todas as forças nos últimos tempos, logicamente que nas horas extras ao trabalho, para finalizar o mestrado, ou seja, entregar os volumes e defender a dissertação.

Coincidentemente ao tema do meu trabalho leio hoje a matéria abaixo no Estadão:

http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,urgencia-para-transformar-a-educacao-imp-,1569540

O Estadão Pequenas e Médias Empresas premiou a plataforma Veduca por ser um negócio inovador.

Nos últimos 3 anos, as plataformas de cursos gratuitos tiveram um crescimento vertiginoso, contabilizando cerca de 10 milhões de alunos inscritos (Shah, 2014). Isto é um dado da minha pesquisa intitulada “Recursos Educacionais Abertos e Direitos Autorais em Ambientes Virtuais de Aprendizagem: conceitos e perspectivas”.

Vamos aos fatos da matéria. Um dos fundadores disse que viu lá fora um movimento de recursos educacionais livres. Este conceito não existe. O nome correto que foi cunhado pela Unesco em 2002 é Recursos Educacionais Abertos ou OER (Open Educational Resources). O conceito é que para um recurso ser considerado aberto ele precisa necessariamente ter uma licença aberta atrelada ou um creative commons, que pressupõe a reutilização do conteúdo.

Acontece que estas plataformas, como o Veduca, são de cursos “gratuitos”, mas com contrapartidas pesadas aos alunos que se inscrevem. Os alunos têm que se cadastrar e tudo que diz respeito à interação no curso, participação em Forum, chat e até o comportamento e desempenho do aluno no curso é monitorado pela plataforma que toma posse destes dados e com isso forma o “big data” que interessa tanto aos investidores. Está tudo lá nos termos de uso e política do site. O aluno abre mão de direitos inalienáveis. A matéria fala de “tráfego” de 7 milhões. Isto não quer dizer muita coisa. Quantos alunos se inscreveram e realmente foram até o fim? A média mundial é de 4%.

Agora o mais importante. Advogam o “ensino de qualidade”. Qual seria esta qualidade? Republicar as palestras gratuitas dos Ted Talks que estão disponíveis no Youtube, acrescentar legendas e chamar isto de curso? Um curso pressupõe um projeto pedagógico, um currículo, acompanhamento, interação com o aluno e avaliação.

Vamos a um exemplo prático que faz parte também do meu trabalho. Há um curso hospedado no Veduca que se chama “Bioenergética” da Universidade de Brasília. Ele é composto de um conjunto de “video-aulas”. Coloquei entre parenteses porque por vezes não é possível ver o professor. Ele some da tela ou fica andando de um lado a outro. Em nenhum momento ele olha para o aluno a distância ou se dirige a ele. O curso é simplesmente uma câmera de segurança que ficou ligada filmando um curso presencial. Isto com certeza não pode ser chamado de curso.

Captura de tela 2014-09-14 16.53.53

Legenda: instante de uma aula do curso de Bionergética da Unb no site Veduca. O professor some da tela em diversos momentos.

É louvável a intenção de democratizar a educação, mas o aluno precisa estar ciente do que abre mão para participar e do que efetivamente percebe e recebe como contrapartida. Sim à educação, não ao marketing danoso!

Deixe um comentário

Arquivado em consumo, filhos, internet, Notícias