Arquivo da tag: experiência

Viajar para um mundo utópico: formas de passar pela crise do Novo Coronavirus

Uma das recomendações deste período de isolamento é manter a atividade física moderada. O grande problema é que dentro de casa sobram poucas opções. Com a academia fechada, os clubes também e os esportes em grupo devendo ser evitados, sobram os exercícios de força com ou sem os apetrechos, a depender de quem já os tinha em casa.

A boa notícia para quem pedala, mas sente falta do vento no rosto, das paisagens e de sofrer ao subir uma montanha é que existem os treinos virtuais. Você instala a sua bike em um rolo, de preferência um que tenha conexão com os dispositivos e pode transformar o seu exercício em uma verdadeira simulação de treino em qualquer lugar do mundo.

Outra estratégia interessante é procurar manter o ritmo de quem treina na madrugada. Repetindo a máxima de quem fala que home office não são férias, o ideal é colocar o despertador para as 5 da manhã, casa e rua estarão em silêncio, chega então a hora de viajar para algum lugar do mundo para treinar.

dani mont ventoux com farol

Aquela hora de treino pode te ajudar a manter a tranquilidade para ficar em confinamento um dia inteiro, além de oxigenar o cérebro e te preparar para o trabalho e a concentração e ainda ajuda a aumentar a imunidade, naturalmente.

Agora voltando ao treino virtual. Eu uso o Zwift. É sensacional cruzar com ciclistas do mundo inteiro. Neste período de crise estão todos no mesmo barco. Em qualquer país do mundo os comentários são os mesmos. Alguns falam do isolamento, outros da falta de itens no supermercado, outros desejam saúde a quem cruzam.

Estão todos treinando em suas casas, mas fugindo para este mundo paralelo por uma hora de seus dias para se manterem sãos.

Até que esta crise passe e esperemos que seja breve, tanto para quem está em isolamento, como para quem tem que obrigatoriamente enfrentar a rua e os hospitais e, desta forma,  merecem todo o apoio do mundo real, que cada um encontre sua forma de manter o equilíbrio.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Esporte, Histórias, internet, Mountain bike, Uncategorized

Por que mesmo segregar os ciclistas na USP?

Acordar antes das 4h da manhã uma ou duas vezes por semana para treinar exige muito mais do que motivação. Há que se ter um objetivo claro, uma meta a atingir, a curto e a médio prazos. Uma prova talvez e melhorar a sua performance podem ser alguns deles.

É necessário também amigos ao seu redor. Pessoas que estão na mesma “sintonia”. E, muito importante também, um professor, orientador, instrutor, alguém que não-somente oriente o treino, mas as boas práticas de segurança e etiqueta em cima de uma bike. Sim, porque há que se aprender a respeitar o colega ciclista, os pedestres e o trânsito. Tudo tem que funcionar em perfeita sintonia. Eu tenho certeza que estou em excelentes mãos. A Adriana Nascimento é a pessoa mais consciente no assunto segurança que você pode ter por perto quando está treinando.

Mas vamos às madrugadas. Algumas frias, bem frias, outras chuvosas, mas quando o treino vai acontecer é importante manter a consistência e comparecer.

O ciclismo, tanto como meio de transporte ou como esporte vem crescendo muito, o que é bastante positivo. Entretanto, as dores do crescimento parecem espremer os espaços paulistanos, que não são muitos para treinar durante a semana.

Mesmo sendo penoso acordar no meio da noite tudo tem o seu lado positivo. Saímos recompensados do treino, com o corpo suado, o sol nascendo, vendo um pouco de verde nesta selva maluca em que vivemos.

Opa, eu falei em ver algo, como apreciar a natureza. Acho que não são todos que tem esta chance, pois há os famigerados “pelotões”. São grandes colmeias de ciclistas em formação irregular, às vezes em 2, 3, 4 ou até 5 ciclistas um ao lado do outro, que passam voando em número expressivo, normalmente mais de 20. Quase sempre estão olhando para baixo, cada um tentando alcançar a roda da frente do outro freneticamente. O líder da frente normalmente grita, tanto para ordenar o próprio grupo, dar algum alerta ou para dizer aos ciclistas “normais” que estão do lado direito para que fiquem bem quietinhos, pois eles estão passando. “Esqueeeerda!!!” e lá vão eles.

Bom, é difícil explicar que não há como todos terem o mesmo ritmo ou o mesmo fôlego e vira e mexe acontece algum problema, alguma queda etc. Além de ser muito aflitivo para nós, ciclistas em treino normal, ver os ônibus ou os carros atrás deles tendo que esperar que eventualmente os vejam e decidam por deixarem os carros passarem, ou não.

Após um bom tempo de abusos dos tais pelotões veio um decreto geral, no qual todos os ciclistas foram colocados em um saco só. E, de repente, vieram mil e uma barreiras para a utilização da USP para treinar de madrugada. Fixaram-se dias, horários e, o pior, a identificação, tanto da bike, quanto do capacete. O formato não é nada inclusivo ou mesmo ecológico, diga-se de passagem.

Infelizmente, em vez de conscientizar e educar, decidiu-se segregar a todos. Todos os ciclistas são ruins. Todos merecem usar a “estrela” de identificação. Será que o próximo passo serão os guetos? Tomara que não. No exterior, há placas de sinalização para que todos convivam em harmonia, inclusive com os cavalos e as charretes. A rua é de todos.

 

IMG_7343

1 comentário

Arquivado em consumo, Esporte, Histórias, internet, Mountain bike, Notícias, Uncategorized

Sobre as trilhas…e os vícios bons

Sinto falta da lama
De ficar suja com ela

De passar por ela

De desviar dela

De me molhar com ela

De fazer força nas subidas estenuantes

De quase desistir quando o fôlego e a força acabaram na base da subida

Dos preparativos com os amigos do pedal

De comemorar junto cada conquista

Do apoio mútuo nas quedas, nos momentos de espera pela reunião do grupo

Dos desafios vencidos e do desejo de vencer os que estão por vir

Será um vício? A adrenalina que falta? A sensação de cansaço recompensado depois de horas de esforço?

O contato com a natureza, os cheiros do mato, da trilha, o silêncio sem fim do pneu no chão batido quando não há ninguém por perto? Ou a alegria ao ver o grupo se juntar de novo depois de vencer mais um morro?

É tudo isto e muito mais. É viver a vida intensamente. 

  

Deixe um comentário

Arquivado em Esporte, Histórias, internet, Mountain bike, Uncategorized